CATCH22: Conhecimento de si próprio: A grande vantagem competitiva durável do investidor.

Investir não é um fim em si; é um meio para alcançar seus objetivos. Dessa forma, você deve conhecer a si próprio como investidor. Antes de começar a investir você deve saber onde quer chegar, planejando e estruturando o  caminho a ser percorrido. Ao fazer esse exercício mental de planejamento e implementação de ideias você está automaticamente conhecendo a si próprio porque estes elementos estão lhe ajudando a entender o que você está tentando realizar com seu programa de investimento.

Para determinar que tipo de investidor você é pense sobre suas limitações pessoais, assim como suas forças e fraquezas. Você é paciente? Tende a ficar nervoso quando as circunstâncias econômicas ficam difíceis? Como é sua relação com o risco?


Então, conhecer a si próprio, o que isso significa? Quando se trata de investimento é sua compreensão de sua situação financeira atual, seus objetivos, sua tolerância a riscos e sua capacidade de conhecimento que ajudará planejar seu futuro.

Para obter sucesso nos seus investimentos não basta conhecer a si próprio. É necessário conhecer muito bem e saber quais são as suas características especiais para ser um bom investidor. Todo mundo é diferente e só você conhecendo bem como você realmente é, o que é que você faz bem e o que é que você pode fazer bem é que você pode atingir sucesso e excelência. Isso significa dizer que você deve compreender suas motivações internas para que possa continuar racional. Dessa forma, você vai desenvolvendo uma filosofia de investimento que é compatível não somente com o tipo de investimento escolhido, mas principalmente suas características individuais, ou seja, a chave para seu sucesso talvez não seja saber o que faz Warren Buffet um investidor de sucesso, mas saber mais sobre si próprio.

Uma vez possuindo uma filosofia de investimento, você desenvolve estratégias de investimento para construir o núcleo de sua filosofia. Note que a maioria dos investidores individuais não tem uma filosofia de investimento desenvolvida, também podemos dizer isso com relação a alguns gestores de fundos e analistas de negócios. Estes adotam estratégias de investimentos que parecem funcionar para outros investidores e acabam por abandonar quando não funcionam. Se não possuir uma filosofia você também tenderá a mudar de estratégia com certa frequência, o que fatalmente não trará os resultados antes almejados. Um dos pontos negativos em não possuir uma filosofia de investimento é que você acaba virando presa fácil para charlatões;  cada mudança de estratégia envolve uma mudança do portfólio que resulta em custos e impostos que poderão prejudicar a viabilidade do investimento.

Investir pode mudar sua vida radicalmente, mas provavelmente não é sensato planejar com base que isso mudará, mas sim poderá.

Artigo desenvolvido por Catch22.
Contato: catch22infomoney@gmail.com

  • Anonymous

    Muito, muito importante sua menção em “… conhecer a si próprio, o que isso significa?… ” e “…mas saber mais sobre si próprio. “

    6 anos de Bolsa (entrei com 2 pés no TH rsrss), só de ~2 anos p/ cá começou a ficar claro “o q estou fazendo na RV”, quando percebi q o único papel q me dava lucro CONSISTENTE todos os anos era BBAS3, ao mesmo tempo q ficou + evidente “o q eu quero na RV”, entrando no auto-conhecimento q o + importante é uma estratégia q me permita SOBREVIVER na RV num LP visando complemento à aposentadoria, com o mínimo de risco possível.
    Então, comecei um lento e longo procedimento de ir encerrando todos os demais papéis do portfólio; hj BBAS3 é ~90% dele e à medida q as últimas tranqueiras me possibilitarem encerrá-las, um dia ele vai ser 100%.
    Percebo q o caminho escolhido e meu perfil estão se encontrando, pois quanto + BBAS3 domina a carteira, + tem melhorado meu sono e a rentabilidade positiva tem sido unicamente dele, os outros estão só “atrapalhado” o desempenho.

    Agora um pouco off, p/ quem deseja se aprofundar no auto-conhecimento “genérico”, de longe as melhores palestras são do PREM RAWAT, onde seguidamente cita Sócrates e sua máxima “conhece-te a ti mesmo”, o q isto significa e como aproveitar tal entendimento. Inclusive em algumas ele cita rápidamente a queda das ações em 2008, se achar o link posto aqui. Tem esta http://www.youtube.com/watch?v=N2r3lLsgEqI em q menciona a ENRON, o q vem de encontro à questão da escolha criteriosa na carteira de cada um (evitar pré-operacionais e promessas “mirabolantes” – por isto tô no BBAS3, tem “só” 200 anos e o “risco” é da própria existência do Brasil, e na minha opinião BBAS é mais vinculado até mesmo q PETR e VALE).

    Parabéns pelo artigo, CATCH22.

    • 100% em BBAS3 hehehe…
      E nunca colocar todos os ovos na mesma cesta? Nunca ouviu falar nisso? kkkk!

    • Anonymous

      Sim, muitas vezes, caro Investidor Troll.

      Inclusive iniciei, durante minha “ignorância” na bolsa, com 14 papéis, e cheguei ao máx de 19. O q aconteceu ? Salvo algumas excessões, maioria deles só “atrapalhava” o portfólio (e os poucos diversificantes q restam ainda insistem em perdas kkk). E curiosamente BBAS3, sempre positivo ao final do ano, mesmo q fosse pouco, mas lucrativo. Após várias análises, ponderações e reflexões do meu perfil, resulta hj q quanto + concentro no BB, + tranqüilo e satisfeito fico.

      Ressalto q este é o “meu conhecimento” q está melhor me enquadrando na RV, mas pode ser oposto p/ outros investidores. Uns podem dormir + tranqüilos quanto + diversificada fica a carteira. Dentro do tema “conhecer” aqui proposto, se quiseres podes enumerar os pontos q és contra concentração, ou qual é o estilo de carteira q lhe agrada, ou ainda se é algum receio específico ao BBAS3.

      Abç

    • Anonymous

      PS: Corrigindo, leia-se “exceções” (ao invés de “excessões”). No blog ñ tem como editar o post… rsrss

    • Catch22

      Olá Anon,

      Interessante sua história. Pelo que pude perceber você considera que a estratégia de concentrar em BBAS se mostra cada vez mais eficiente nos seus investimentos. A propósito, Luiz Barsi também é um dos adoradores do Banco do Brasil. Começou acumulando há muito tempo atrás e hoje é o maior investidor pessoa física do banco. Quem sabe daqui alguns anos você chega lá, hein!

      Abraços,

      Catch22.

    • Catch22

      A sua experiência com diversificação acabou de me dar uma ideia para um post futuro: diworsification nos investimentos.

      Abraços,

      Catch22.

    • O risco aumenta muito com uma carteira pouco diversificada.
      E uma carteira concentrada em uma única ação, de longe não é a forma mais segura de se investir.
      O resultado de hoje, pode ser a desgraça de amanhã.
      Se BBAS3 dá um problema, toda a carteira tá comprometido.
      Agora se vc tem uma carteira igualmente divida em 10 ações e 1 da problema (ex: ELPL4), apenas 10% dela foi comprometida.
      Bem, não sou o dono da verdade. Haverá momentos que uma carteira muito diversificada, trará menos rendimentos de que uma mais concentrada.
      Eu jamais teria coragem de deixar tudo em uma única ação. É risco demais pra mim !

  • Anonymous

    Parabéns pelo artigo! O auto-conhecimento realmente é uma das maiores virtudes de um ser humano, que lhe proporciona alcançar o sucesso não só na área financeira, mas também profissional e pessoal.

    Eu me tornei um investidor melhor quando parei de me preocupar com fatores externos (índices, cotações, ação que mais subiu, que mais caiu, etc.) que eu não tenho controle e me concentrei em fatores internos que possuo controle (tamanho dos meus aportes, qualidade do meu trabalho, controle das despesas pessoais, escolha de empresas lucrativas e foco no longo prazo).

    Abraço.

    • Catch22

      Olá Anon,

      Obrigado!

      Sábias palavras, parceiro! Também procuro focar nesses fatores que você citou, todos importantíssimos, por sinal. Destaque para tamanho dos aportes e qualidade do trabalho para quem está iniciando no mundo dos investimentos.

      Abraços,

      Catch22.