COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Lucro por Ação (LPA)

Pobres,

Hoje daremos continuidade na série “Como o Pobre avalia empresas”.

Nesta série passaremos todos os indicadores avaliados em nossas análises fundamentalistas, um a um. 

Uma série bem mastigada para que possamos passar o máximo de conhecimento aos nossos leitores de quais indicadores são importantes na hora de avaliar uma empresa para se investir.

Confira o que já tratamos nesta série até aqui:

COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Preço / Lucro (PL)
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Dívida Bruta / Patrimônio
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Margem Líquida
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Retorno sobre o Patrimônio
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Liquidez Corrente (LC)
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Valor Patrimonial por Ação (VPA)

COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Lucro por Ação (LPA)
COMO O POBRE AVALIA EMPRESAS: Formula de Graham – Preço Justo

O indicador abordado hoje será: Lucro por Ação.

O Lucro por Ação é um dos indicadores mais importantes a serem avaliados. Basicamente ele serve para visualizarmos o crescimento consistente (ou não) da empresa e a importância de valor que a mesma gera para seus acionistas.



O cálculo do seu valor é feito utilizando o seu Lucro Líquido no período avaliado e dividindo o mesmo pelo número total de ações da companhia. (Não se esqueça de conferir se a empresa possui ações ON e PN e soma-las antes de efetuar o cálculo).

Podemos utilizar também o Lucro por Ação histórico para projetar possíveis cenários para o futuro. Exemplo: Uma empresa que apresente um aumento médio de 20% anuais em seu LPA, pela lógica, continuaria aumentando este valor ao longo do tempo. Como acredito que devemos ser conservadores ao extremo nas previsões feitas, geralmente projeto o LPA da empresa para o futuro considerando a média histórica e alocando uma margem de segurança de 50%. Ou seja, em uma média de 20% de crescimento, utilizo somente 10% para os cálculos de estatística futuros.



Atenção para uma observação importante: a legislação brasileira obriga as empresas a distribuírem pelo menos 25% de seu lucro na forma de dividendos, ou seja, a empresa se vê obrigada a pagar no mínimo 25 do seu LPA em forma de dividendos ao seu acionista. 

Veja bem, o valor do LPA não é necessariamente o que você receberá em forma de dividendos! O valor recebido poderá variar de 25 a 100% do valor LPA para o período em questão! Aliás, em empresas com o foco em desenvolvimento e crescimento esta situação é bem comum, geralmente elas distribuem somente o obrigatório por lei em forma de dividendos e utilizam o restante do lucro para ações de crescimento e sustentabilidade no mercado. Já as empresas que possuem uma receita mais recorrente, como as elétricas e empresas de saneamento, costumam distribuir um valor maior em dividendos pelo fato de não precisarem muitos investimentos e pela previsibilidade das receitas e lucros.

Por hoje era isso pessoal!

Abraços e até a próxima!

** Como parte da política de transparência do blog, informo aos leitores que não tenho certificação como analista de investimentos e, portanto, esse post representa apenas minha opinião pessoal, e não uma recomendação de compra ou de venda de ações. O indicador aqui analisado não deverá ser usado isoladamente como base para compra e venda de ativos. Façam suas próprias análises e tomem suas próprias decisões.

  • Anonymous

    PP, Tudo bem??

    Estou gostando muito das suas postagens.Tenho um dúvida de principiante mesmo.Como faço para observar a quantidade de ações da empresa?Se for por meio do balanço da empresa, nesse caso, para se analisar o histórico, eu teria que olhar balanços de outros anos , não?

    Agradeço!

  • Anonymous

    Boa noite!
    Esta observação me intrigou: “(Não se esqueça de conferir se a empresa possui ações ON e PN e soma-las antes de efetuar o cálculo).”
    Em outros indicadores, como o VPA, também temos que somar as ações ON e PN?
    Favor explicar usando como exemplo PETR3 e PETR4.
    Parabéns pelo blog!!@

    • Pobre Poupador

      Boa noite Anon!

      A reposta é: sim! Temos que somar a quantidade total de ações emitidas pela companhia, não importando a sua classe!

      Abraços!